Farois

Um farol é uma estrutura elevada, habitualmente uma torre, dotada de um potente aparelho óptico dotado de fonte de potentes lâmpadas e espelhos refletores, cujo facho de luz é visível a longas distâncias.

O termo farol deriva da palavra grega Faros, nome da ilha próxima à cidade de Alexandria onde, no ano 280 a.C., foi erigido o farol de Alexandria — uma das sete maravilhas do mundo antigo. Faros deu origem a esta denominação em várias línguas românicas; como em francês (phare), em espanhol e em italiano (faro) e em romeno (far).


topo

Tipos de Faróis

  • Faróis Marítimos – destinados exclusivamente à navegação marítima, têm um feixe luminoso com uma pequena abertura angular vertical;
  • Faróis AeroMarítimos – destinado à navegação marítima e aérea sendo o seu feixe de grande abertura angular e vertical;
  • Barcos Faróis – fundeados em locais onde não é possível a instalação normal de um farol.

Altura e Altitude

Altura – é a diferença entre a base e o topo do edificio (a) Altura e Altitude
Altitude – é a diferença de nível entre o plano focal e o nível médio das águas (H)

O alcance da luz dos faróis varia de acordo com vários factores, tais como a potencia do aparelho óptico, localização do observador, etc, pelo que é expresso de três formas diferentes:

  • Alcance geográfico – distância máxima a que a luz do farol pode ser visto, dada a curvatura da terra. Depende da altitude (distância entre o nível médio da maré e o centro do foco) do farol e da altitude do observador em relação ao nível mar;
  • Alcance luminoso – distância máxima que a luz pode ser vista em função da potência da luz do aparelho, da transparência atmosférica e da capacidade óptica do observador;
  • Alcance nominal – é o alcance “oficial” do farol, aquele que vem indicado nas cartas
    de navegação do Instituto Hidrográfico, Lista de Faróis e outras publicações oficiais (Expresso em milhas – M ). É o alcance luminoso de um farol verificado num determinado momento de homogeneidade atmosférica e com visibilidade média de 10 milhas.

Para o cálculo do alcance é fundamental ter conhecimento da altura (a distância entre a base e a luz) e a altitude (a diferença entre o nível médio do mar e o plano focal da luz).

Côr da Luz

  • Branca (br) – A luz branca é usada, de uma maneira geral, em quase todos os faróis;
  • Vermelha (vm) – A luz vermelha é usada nas entradas das barras, bóias em canais e rios, entradas de docas e de portos, tendo as embarcações de dar o seu Bombordo (BB) à bóia ou farol, á entrada;
  • Verde (vd) – A luz verde é usada nas entradas das barras, bóias em canais e rios, entradas de docas e de portos, tendo as embarcações de dar o seu Estibordo (EB) à bóia ou farol, á entrada;

Tipo de luz

Fixa (F)

fixa Luz que se apresenta contínua e uniforme e de cor constante
Ocultações (Oc) ocultações A duração total da emissão luminosa em cada período é maior do que a duração total da obscuridade e os intervalos de obscuridade (ocultações) têm habitualmente a mesma duração.
Isofásica (Iso) isofasica A duração da emissão luminosa e a duração da obscuridade são iguais.
Relâmpagos (Rl) relampagos  A duração total da emissão luminosa em cada período é menor que a duração total da obscuridade e as aparições de luz (relâmpagos) têm habitualmente a mesma duração.
Cintilante (Q) cintilante Os relâmpagos (cintilações) repetem-se com uma frequência compreendida entre 50 e 79 relâmpagos por minuto.
Alternada (Al) alternada Alteração de cor no mesmo azimute


topo

 


Página modificada em: 10 Julho 2014