Noções de Combate e Prevenção a Incêndios

O fogo é um dos perigos mais graves que existe a bordo de uma embarcação, que pode provocar a sua destruição total ou parcial; sendo por este motivo um dos maiores receios de todos os marinheiros de vela de cruzeiro.

A melhor maneira de reduzir o perigo de vir a ter um incêndio a bordo, é ter um quadro eléctrico devidamente ‘arrumado’ sem cabos com pontas soltas (muito menos com o cobre á vista), efectuar a manutenção devida ao motor, não ter materiais inflamáveis em pontos susceptiveis de a temperatura subir (junto ao motor, na cozinha perto do fogão…)


Definição:

Incêndio é qualquer foco de Fogo não circunscrito que possa surgir a bordo da embarcação

Teoria do Fogo

Conceito de Fogo

Fogo é um processo químico de transformação. Podemos também defini-lo como o resultado de uma reação química que desprende luz e calor devido à combustão de materiais diversos.

Elementos que compõem o fogo

Os elementos que compõem o fogo são:

     • Combustível
     • Comburente (oxigênio)
     • Calor
     • Reação em cadeia

Esse quarto elemento, também denominado transformação em cadeia, vai formar o quadrado ou tetraedro do fogo, substituindo o antigo triângulo do fogo.



Triangulo do Fogo


Tetraedro do Fogo

Combustível

É todo material que queima.
São sólidos, líquidos e gasosos, sendo que os sólidos e os líquidos se transformam primeiramente em gás pelo calor e depois inflamam.

Sólidos

Madeira, papel, tecido, algodão,etc.


 

Líquidos

Voláteis – são os que desprendem gases inflamáveis à temperatura ambiente.
Ex.:álcool, éter, benzina, etc.
Não Voláteis – são os que desprendem gases inflamáveis à temperaturas maiores do que a do ambiente. Ex.: óleo, graxa, etc.


 

Gasosos

Butano, propano, etano, etc.


 

Comburente (Oxigênio)

É o elemento ativador do fogo, que se combina com os vapores inflamáveis dos combustíveis, dando vida às chamas e possibilitando a expansão do fogo.
Compõe o ar atmosférico na porcentagem de 21%, sendo que o mínimo exigível para sustentar a combustão é de 16%.

Calor

É uma forma de energia. É o elemento que dá início ao fogo, é ele que faz o fogo se propagar.
Pode ser uma faísca, uma chama ou até um super aquecimento em máquinas e aparelhos energizados.

Reação em Cadeia

Os combustíveis, após iniciarem a combustão, geram mais calor. Esse calor provocará o desprendimento de mais gases ou vapores combustíveis, desenvolvendo uma transformação em cadeia ou reação em cadeia, que, em resumo, é o produto de uma transformação gerando outra transformação.

topo

Pontos e Temperaturas Importantes do Fogo

Ponto de Fulgor

é a menor temperatura na qual o produto se vaporizaem quantidades suficientes para formar com o ar uma mistura capaz de inflamar-se momentaneamente quando se aplica uma centelha sobre a mesma. Desse modo, quando a fonte externa de calor é retirada, a combustão cessa. É um dado de segurança para o armazenamento, transporte e manuseio de um combustível, sendo possível detectar acontaminação por outros produtos.

Madeira + Calor → ↑↑gás → +faísca = chama não se mantém

Ponto de Combustão

É a temperatura mínima necessária para que um combustível desprenda vapores ou gases inflamáveis que, combinados com o oxigênio do ar e ao entrar em contato com uma chama, se inflamam, e, mesmo que se retire a chama, o fogo não se apaga, pois essa temperatura faz gerar, do combustível, vapores ou gases suficientes para manter o fogo ou a transformação em cadeia (se auto-alimenta).

Madeira + Calor → ↑↑gás → + faísca = chama se mantém

Temperatura de Ignição

é a temperatura necessária para inflamar a mistura ar/combustível, sem fonte externa de calor. Se a temperatura ultrapassa o ponto de ignição, o combustível entra em combustão espontânea.

Madeira + Calor → ↑↑gás = combustão espontânea




Tabela de Temperaturas


topo

Classes de Incêndio

Os incêndios são classificados de acordo com as características dos seus combustíveis. Somente com o conhecimento da natureza do material que está se queimando, pode-se descobrir o melhor método para uma extinção rápida e segura.

Classe A

Classe A

São considerados desta classe os materiais combustíveis que queimam em profundidade e extensão e deixam resíduos
, brasas e cinzas. Os materiais que constituem esta classe são: madeira, papel, tecidos, algodão, borracha, etc.. O agente extintor mais indicado para combater incêndios desta classe é a água, que tem o poder de penetração e
arrefecimento, e as vezes por abafamento através de jato pulverizado.

Classe B

Classe B

Nesta classe de incêndio enquadram os materiais que queimam em extensão e geralmente não deixam resíduos. São desta classe de incêndio: gasolina, óleos, gases, graxas, tintas, álcoois, tinner, etc.. Para os trabalhos de extinção dos incêndios desta classe, são usados pós químicos e agentes espumantes misturados em água que, ao serem aplicados, formam uma camada isolante que impede a presença do oxigênio na combustão.

Classe C

Classe C

Enquadram nesta classe de incêndio os materiais e equipamentos quando energizados, tais como: motores, fios
electricos, transformadores, computadores, eletrodomésticos e qualquer outro material metálico usado na aplicação de energia eléctrica. A característica fundamental para esta classe de incêndio é a presença da electricidade no equipamento ou material. Os agentes extintores indicados para combater incêndios desta classe são os pós químicos e gases com poderes de extinção de incêndios, tais como CO2 e “Halotron”
(este úçtimo cada menos devido a ser cancerigeno).
O primeiro passo num incêndio de classe C, é desligar o quadro de força, pois assim ele se tornará um incêndio de classe A ou B.

Classe D Classe D

Constituem desta classe de incêndio os metais pirofóricos que queimam facilmente quando fundidos, finalmente divididos ou em forma de lâminas. Citamos, como exemplo, o magnésio, o titânio, o sódio, o potássio, o zircônio, o zinco, o urânio, o plutânio,
a fibra de vidro, dentre outros. O comportamento dos materiais enquadrados nesta classe, por ocasião de um incêndio, é diferente dos demais, visto que durante a combustão forma-se uma reação em cadeia o que dificulta a sua extinção através de procedimentos convencionais. Sua extinção é feita por pós químico especiais à base do grafite.
Nunca use água para combater incêndio desta classe

topo

MÉTODOS DE EXTINÇÃO DO FOGO

Partindo do princípio de que, para haver fogo, são necessários o combustível, comburente e o calor, formando o triângulo do fogo ou, mais modernamente, o quadrado ou tetraedro do fogo, quando já se admite a ocorrência de uma reação em cadeia, para nós extinguirmos o fogo, basta retirar um desses elementos. Com a retirada de um dos elementos do fogo, temos os seguintes métodos de extinção: extinção por retirada do material, por abafamento, por resfriamento e extinção química.

Extinção por retirada do material (Isolamento)

É a forma mais simples de se extinguir um incêndio. Baseia-se na retirada do material combustível, ainda não atingido, da área de propagação do fogo, interrompendo a alimentação da combustão. Método também denominado corte ou remoção do suprimento do combustível.
Esse método consiste em duas técnicas:
• retirada do material que está queimando
• retirada do material que está próximo ao fogo


 

Extinção por retirada do comburente (Abafamento)

Consiste em diminuir ou impedir o contato do oxigênio com o material combustível. Não havendo comburente para reagir com o combustível, não haverá fogo. Como exceção estão os materiais que têm oxigênio em sua composição e queimam sem necessidade do oxigênio do ar, como os peróxidos orgânicos e o fósforo branco.

Conforme já vimos anteriormente, a diminuição do oxigênio em contato com o combustível vai tornando a combustão mais lenta, até a concentração de oxigênio chegar próximo de 8%, onde não haverá mais combustão. Colocar uma tampa sobre o recipiente contendo álcool em chamas, ou colocar um copo voltado de boca para baixo sobre uma vela acesa, são duas experiências práticas que mostram que o fogo se apagará tão logo se esgote o oxigênio em contato com o combustível.

Pode-se abafar o fogo com uso de materiais diversos, como areia, terra, cobertores, vapor d´água, espumas, pós, gases especiais etc.


 

Extinção por retirada do calor (Arrefecimento)

É o método mais utilizado. Consiste em diminuir a temperatura do material combustível que está queimando, diminuindo, conseqüentemente, a liberação de gases ou vapores inflamáveis. A água é o agente extintor mais usado, por ter grande capacidade de absorver calor e ser facilmente encontrada na natureza. A redução da temperatura está ligada à quantidade e à forma de aplicação da água (jato), de modo que ela absorva mais calor que o incêndio é capaz de produzir. É inútil o emprego de água onde queimam combustíveis com baixo ponto de combustão (menos de 20ºC), pois a água
arrefece até a temperatura ambiente e o material continuará produzindo gases combustíveis.


 

Extinção Química (Inibição)

Ocorre quando interrompemos a reação em cadeia.

Este método consiste no seguinte: o combustível, sob ação do calor, gera gases ou vapores que, ao se combinarem com o comburente, formam uma mistura inflamável. Quando lançamos determinados agentes extintores ao fogo, suas moléculas se dissociam pela ação do calor e se combinam com a mistura inflamável (gás ou vapor mais comburente), formando outra mistura não–inflamável.

topo

Extintores portáteis


Extintores portáteis

Inspecção, Conservação e Manutenção dos Estintores

Equipamento de acionamento manual, portátil ou sobre rodas, constituído de recipiente ou cilindro, de componentes, e contendo agente extintor destinado a combater princípios de incêndio.

O Extintor Certo Para Cada Tipo de Incêndio


Extintor de água pressurizada

Extintor de espuma mecânica

Extintor de Pó químico seco

Extintor de gás carbônico (CO2)

Quadro comparativo (características dos extintores)


características dos extintores

Intervenção com Extintores


método de extinção
Levar o extintor ao local do fogo

método de extinção
Colocar-se a uma distancia segura

método de extinção
Emponhar a mangueira e destravar o extintor

método de extinção
Atacar o fogo dirigindo o jacto para a base do fogo


topo

 


Página modificada em: 10 Julho 2014