As Nuvens

As nuvens são das principais responsáveis pela existência da Meteorologia. Sem elas, não existiriam fenómenos como a neve, trovões e relâmpagos, arco-íris ou halos. Seria imensamente monótono olhar para o céu: apenas existiria o céu azul. Uma nuvem consiste num agregado visível de pequenas gotas de água ou cristais de gelo suspensos no ar. Umas são encontradas a altitudes muito elevadas, outras quase tocam no chão. Podem assumir formas diversas, mas são geralmente divididas em 10 tipos básicos.

Classificação de Nuvens

Apesar de os astrónomos antigos terem atribuido nomes às maiores constelações há cerca de 2000 anos, as nuvens não foram devidamente identificadas e classificadas até inícios do século XIX. O naturalista francês Lamarck (1744-1829) propôs o primeiro sistema de classificação de nuvens em 1802, não tendo o seu trabalho sido reconhecido. Um ano mais tarde, foi a vez do inglês Luke Howard apresentar um novo sistema, sendo este aceite pela comunidade científica. Em 1887, Abercromby e Hildebrandsson generalizaram o sistema de Howard, sendo este o utilizado actualmente. As nuvens aparecem assim divididas segundo as suas dimensões e altura da base:

Classe Designação Símbolo Altura da base (km)
Nuvens Altas
Cirrus (Cirro)
Ci
7-18
Cirrocumulus (Cirrocumulo)
Cc

7-18

Cirrostratus (Cirrostrato)
Cs
7-18
Nuvens Médias
Altostratus (Altostrato)
As
2-7
Altocumulus (Altocumulo)
Ac
2-7
Nuvens Baixas
Stratus (Estrato)
St
0-2
Stratocumulus (Estratocumulo)
Sc
0-2
Nimbostratus (Nimbostrato)
Ns
0-4
Nuvens com desenvolvimento vertical
Cumulonimbus (Cumulonimbo)
Cb
0-3
Cumulus (Cumulo)
Cu
0-3

Apesar de parecerem muitos tipos, basta notar que resultam da combinação de algumas características básicas:

  • As nuvens altas são sempre antecedidas do prefixo cirro porque apresentam sempre um aspecto ténue e fibroso;
  • As nuvens médias apresentam o prefixo alto;
  • A designação estrato entra nas nuvens de maior extensão horizontal, enquanto a designação cumulo entra nas de maior desenvolvimento vertical;
  • As nuvens capazes de produzir precipitação identificam-se com o termo nimbo.


topo


As nuvens são classificadas com base em dois critérios: aparência e altitude.

Com base na aparência, distinguem-se três tipos: cirrus, cumulus e stratus. Cirrus são nuvens fibrosas, altas, brancas e finas. Stratus são camadas que cobrem grande parte ou todo o céu. Cumulus são massas individuais globulares de nuvens, com aparência de domos salientes. Qualquer nuvem reflete uma destas formas básicas ou é combinação delas.

Com base na altitude, as nuvens mais comum na troposfera são agrupadas em quatro famílias: Nuvens altas, médias, baixas e nuvens com desenvolvimento vertical. As nuvens das três primeiras famílias são produzidas por levantamento brando sobre áreas extensas. Estas nuvens se espalham lateralmente e são chamadas estratiformes. Nuvens com desenvolvimento vertical geralmente cobrem pequenas áreas e são associadas com levantamento bem mais vigoroso. São chamadas nuvens cumuliformes. Nuvens altas normalmente tem bases acima de 6000 m; nuvens médias geralmente tem base entre 2000 a 6000 m ; nuvens baixas tem base até 2000 m. Estes números não são fixos. Há variações sazonais e latitudinais. Em altas latitudes ou durante o inverno em latitudes médias as nuvens altas são geralmente encontradas em altitudes menores.

Devido às baixas temperaturas e pequenas quantidades de vapor d’água em altas altitudes, todas as nuvens altas são finas e formadas de cristais de gelo. Como há mais vapor d’água disponível em altitudes mais baixas, as nuvens médias e baixas são mais densas.

Nuvens em camadas em qualquer dessas altitudes geralmente indicam que o ar é estável. Não esperaríamos normalmente que nuvens crescessem ou persistissem no ar estável. Todavia, o desenvolvimento de nuvens desse tipo é comum quando o ar é forçado a subir, como ao longo de uma frente ou próximo ao centro de um ciclone, quando ventos convergentes provocam a subida do ar. Tal subida forçada de ar estável leva à formação de uma camada estratificada de nuvens que tem uma extensão horizontal grande comparada com sua profundidade.

Nuvens com desenvolvimento vertical estão relacionadas com ar instável. Correntes convectivas associadas ao ar instável podem produzir nuvens cumulus, cumulus congestus e cumulonimbus. Como a convecção é controlada pelo aquecimento solar, o desenvolvimento de nuvens cumulus freqüentemente segue a variação diurna da insolação. Num dia de bom tempo as nuvens cumulus começam a formar-se do meio para o final da manhã, após o sol ter aquecido o solo. A cobertura de cumulus no céu é maior à tarde – usualmente o período mais quente do dia. Se as nuvens cumulus apresentam algum crescimento vertical, estas normalmente chamadas cumulus de “bom-tempo” podem produzir leve chuva. Ao aproximar-se o pôr-do-sol a convecção se enfraquece e as nuvens cumulus começam a dissipar-se (elas evaporam).

Uma vez formados os cumulus, o perfil de estabilidade da troposfera determina o seu crescimento. Se o ar ambiente é estável mais para cima o crescimento vertical é inibido. Se é instável para ar saturado, então o movimento vertical é aumentado e os topos das nuvens cumulus sobem. Se o ar ambiente é instável até grandes altitudes, a massa da nuvem toma a aparência de uma couve-flor, enquanto se transforma em cumulus congestus e então em cumulonimbus, que produz tempestades.

 esquema da forma das nuvens


topo


TIPOS BÁSICOS DE NUVENS
TIPO DE NUVEM
CARACTERÍSTICAS
 
Nuvens altas
(acima de  
6000 m)
Cirrus
(Ci)
Nuvens finas, delicadas, fibrosas, formadas de cristais de gelo. Cirrus

Cirrocumulus
(Cc)
Nuvens finas, brancas, de cristais de gelo, na forma de ondas ou massas globulares em linhas. É a menos comum das nuvens altas. Cirrucumulus 

Cirrostratus
(Cs)
Camada fina de nuvens brancas de cristais de gelo que podem dar ao céu um aspecto leitoso. As vezes produz halos em torno do sol ou da Lua Cirrostratus 
Nuvens médias
(2000 – 6000 m)

Altocumulus
(Ac)
Nuvens brancas a cinzas constituídas de glóbulos separados ou ondas. Altocumulus  

Altostratus
(As)
Camada uniforme branca ou cinza, que pode produzir precipitação muito leve. Altostratus  
Nuvens baixas
(abaixo de
2000 m)

 

Stratocumulus
(Sc)
Nuvens cinzas em rolos ou formas globulares, que formam uma camada. Stratocumulus 

Stratus
(St)
Camada baixa, uniforme, cinza, parecida com nevoeiro, mas não baseada sobre o solo.

Pode produzir chuvisco.
Stratus 

Nimbostratus
(Ns)
Camada amorfa de nuvens cinza escuro. Uma das mais associadas à precipitação. Nimbostratus  
Nuvens com desenvolvimento vertical

Cumulus
(Cu)
Nuvens densas, com contornos salientes, ondulados e bases freqüentemente planas, com extensão vertical pequena ou moderada. Podem ocorrer isoladamente ou dispostas próximas umas das outras. Cumulus 

Cumulonimbus (Cb)
Nuvens altas, algumas vezes espalhadas no topo de modo a formar uma “bigorna”. Associadas com chuvas fortes, raios, granizo e tornados. Cumulonimbus 
Observação: Nimbostratus e Cumulonimbus são as nuvens responsáveis pela maior parte da precipitação.


topo

 


Página modificada em: 10 Julho 2014